Ataegina

“Aidano voltou a aconchegar as peles. A madrugada trouxera consigo o frio. A manhã tardava em chegar mas o sono, esse, ia já longe. Demasiados problemas. A gravidez inesperada de Arantae. O colmo do telhado que era preciso trocar antes de chegarem as chuvas. A tosquia das ovelhas que emagreciam a olhos vistos. Aqueles romanos filhos da puta queimaram os campos.Destruíram a colheita para o próximo Inverno. Mas sobretudo preocupava-o, a proposta que Viriato lhe havia feito no dia anterior. Aquele Viriato conseguia convencer Ares a lutar ao seu lado. Agradava-lhe a simplicidade e a certeza com que ele falava. Teriam de estar bem preparados para dar aos cães Romanos, a resposta que mereciam.

Arantae mexeu-se. As suas costas estavam delineadas a sombra. Virou-se e sorriu. Aidano devolveu-lhe o sorriso e tocou-lhe da face. -Aidano, andaste outra vez a lavar os dentes com xixi?? Raios te partam homem, já te disse que assim não levas nada daqui!! Nem com a conversa do “Ah e tal foi a Ataegina que apareceu ali numa oliveira e me disse para vir ter contigo”, me levas outra vez!!”

Então a modos que é assim. Os dois parágrafos de cima são de minha autoria, e espelham bem o fraco escritor que daria. Rima e é verdade. Decidi brincar com aquilo que o João Aguiar fazia com mestria. Foi uma espécie de hommage e peço-vos desde já desculpa por isso. Deu-me para voltar a reler o magnifico A Voz dos Deuses. Porque aborda uma temática que adoro, e foca uma história e cultura lusas que os Romanos quase conseguiram aniquilar, e porque os bons livros se podem reler as vezes que se quiser. Romances históricos são o meu calcanhar de Aquiles. Quando bons, não lhes consigo resistir.

No fundo sou um gajo de leituras simples. E os livros dele já me acompanham desde de que, em tempos idos, me deu a pancada de pesquisar sobre o Endovélico. Fica a sugestão para quem ainda não conheça. O que me parece difícil. Aconselho também, do mesmo autor e com uma temática semelhante, “A Hora de sertório”, e “Uma Deusa na Bruma”.

16 thoughts on “Ataegina

  1. Conheço o autor, não conheço a obra.
    Ele escrevia artigos para a Super Interessante, acho eu.

    A tua tentativa de escritor não está assim tão má. Já li pior. 🙂

  2. Leste a Encomendação das Almas? Custou-me crer que tivessemos um autor tão genial contemporâneo entre as lusas letras. Sem macaquices pseudo-estilísticas para agradar a ressacadas do Paulo Coelho nem artifícios arrevezados e adjectivação enche-buchos para fazer o mínimo de 140 páginas. Straight to the point e imensamente inteligente.

  3. Meu caro Troll, essa pequena amostra parece-me bem mais promissora que muitos livros já editados.
    Não conheço o autor nem a sua obra, tanto que Endovélico para mim era apenas e somente a BD do (ex) Igespar (actual DG de qualquer coisa). Vivendo e aprendendo.

    • Anna Blue, Endovélico e a mitologia lusitana fundem-se. Sempre que passo pela zona do Alandroal, penso procurar o santuário, mas acabo sempre por deixar para a próxima oportunidade. 🙂

  4. E pronto. Uns posts e já quer escrever. Será preciso bastante mais.
    Já te li alguns bons posts. Vou seguindo aqui e ali. Mas aconselho a manutenção do blog e que se evitem outros voos.

    Atente-se Ícaro.

    • Caro Sombra, presumo que se tenha enganado na caixa de comentários. Não estaria a pensar que comentava no blog do Tolan?
      Aqui ninguém pretende nada. Repare que refiro ter escrito o texto como piada, acabando a considerar-me um fraco escritor.

      Às vezes não se percebem piadas mesmo quando elas nos pregam uns estalos.

      Aqui ninguém queima asas.

  5. Romances históricos não me fazem mossa, mas confesso que não leio. Mas conheço quem os devore.
    Esta tua tentativa tropeçou em alguém que parece não ter lido o que dizes a seguir:
    “Os dois parágrafos de cima são de minha autoria, e espelham bem o fraco escritor que daria. Rima e é verdade. Decidi brincar com aquilo que o João Aguiar fazia com mestria.”

    Ler na diagonal costuma dar nisso. 🙂

    Ps- Fui ao google confirmar a parte do xixi e a minha alma ficou parva. Realmente lavavam os dentes com urina. 🙂

    • Fiona, não ligues.

      A parte do xixi é curiosa. Mas de facto alguns autores romanos referem-no. Se isso, por si só, atribui autenticidade é outra coisa, mas só de imaginar.

      Coitada da Arantae. 🙂

  6. Ah, ah! Gostei muito da tua versão. Só não percebi a parte da gravidez inesperada. A Arantae andava a tomar a pílula, era? Ou o Aidano preferia mocinhos? Já o mijo, assim o dizia Estrabão, parece que era bom, sim senhor.

    E João Aguiar será sempre dos meus escritores favoritos.

    • Alexandra, para saberes o antes e o depois, ias obrigar-me a escrever mais sobre. Façamos de conta que a Arantae fazia as contas pela Lua e a coisa correu mal. -_-

      O Aidano era muito macho. Manejava a lança como poucos e era um dos homens de confiança de Viriato.

      O João Aguiar era dos bons.

    • Por 3 vezes estive ao pé da pequena placa que indica o suposto caminho até lá, e por 3 vezes desisti de o fazer. Pode ser que da próxima vez o faça. 🙂 Passear, dormir e comer na zona, é das coisas que mais gozo me dá. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.