Craigslist

Estavas ontem em Cacilhas à espera do 133 para o Laranjeiro, via Barrocas. Estava bastante vento e uma caixa de cartão da Sonasol voava livre até te acertar na perna esquerda. Exclamaste o foda-se mais sexy que alguma vez ouvi alguém, que presumo ser do Laranjeiro, exclamar. Eu era o gajo introvertido e com ar sebento quase no fim da fila que sorriu para dentro e olhou para o chão. Quando passei por ti, sorvi o teu aroma de corpo de mulher ao fim de um dia de trabalho e com um suor ligeiramente adocicado, e fiz tudo para me sentar ao pé de ti. A velha fez de conta que não me tinha visto e não arrumou o saco com as laranjas. Sentei-me dois bancos atrás e passei aqueles 14 minutos a olhar para o teu cabelo com ar lavado e a imaginar que colocava no sítio aquela alça do Soutien que teimava em cair-te do ombro. E a ouvir Skrillex. Skrillex desperta o animal sexual que há em mim e ainda ninguém conhece e domesticou. Queres ser tu a conhecer? Tenho tanto para dar. Espero que possas ler isto e te lembres de mim. Olhei-te de soslaio quando saí e cheirei-te uma última vez, estive para sair na tua paragem e seguir-te até casa, mas não tive coragem e tinha uma batalha de WOW marcada para as dezanove horas.

Skrillex lover – 33, área de LX

 

18 thoughts on “Craigslist

    • Xuxi, obrigaste-me a ir confirmar se existia uma versão portuguesa do Craigslist, e sim, existe. De modos que podia perfeitamente ter sido tirado dai. -_-

    • Alexandra, busted. 🙂
      Tive de ir googlar. O 133 vai para o Alto do Índio (via barrocas). Por isso é que nunca hei-de (nem quero), escrever nada de jeito. Faltam-me as bases, como a investigação. -_-

    • Fosse ele um tipo às direitas e não um pária, e teria ganho coragem para ir falar com ela. 🙂

      Não sei o que se passou com os comentários. Normalmente bloqueia para aprovação quando contem links externos (spam), o que não é o caso.

      Desculpa. 🙂

      • Fico bem mais descansada ao confirmar que não fui censurada. É que, acredita, poderia tornar-se trauma 😉

        Não é preciso pedires desculpa. Eu é que devo agradecer por teres tido a sensatez de só publicar um comentário e não os três. Para além do trauma, ficariam a achar que estou cheché. E eu não mereço ;p

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.