Hamelin

Eles não sabem o que acabaram de fazer. Como poderiam? Eles não sabem que o serial killer em potência que habita em cada um de nós, já esteve mais perto de se manifestar em mim. Não na dinâmica Jeffrey Dhamer que cada vez menos tolero carne vermelha. Assim mais numa vertente Charles Mansoniana da coisa. Levar a cometer algo. Com estilo, premeditação q.b. e se possível sem sujar as mãos.

Alguém decidiu, obviamente sem me consultar, e apenas porque podem, fazer-me Guia de Evacuação de Piso, no Plano de Segurança do Edifício onde trabalho. As potencialidades meu Deus, as potencialidades. Quatro segundos depois já me imaginava, qual flautista de Hamelin a conduzir pessoas, vergadas ao domínio da minha flauta e hipnotizadas pelo som mavioso de “La flûte enchantée” de Ravel. (Não coloquei aqui nenhuma piadola com conotações fálicas, porque me referia ao instrumento musical). Em abono da verdade e do conto folclórico que os Irmãos Grimm reescreveram, adulterei a história. Aqui ia levar os adultos e deixava ficar as crianças. Casa Pia não mora aqui.

Tenho a perfeita noção de que seria uma canseira danada, levar toda aquela gente a afogar-se no Rio Tejo, sempre a tocar aquela melodia na flauta, e evitar que o subconsciente das mulheres levasse a melhor e elas parassem em todas as lojas com saldos até cinquenta por cento, ou de impedir que o subconsciente treinador de bancada de cada homem, parasse em cada montra de loja de electrodomésticos para ver o resultado do jogo. Mas o Pã e o Krishna seriam considerados amadores quando comparados com a minha destreza musical, e a minha perseverança de serial killer levaria a melhor. O Dexter ficaria orgulhoso. O meu dark passenger também anda por aí.

 

 

10 thoughts on “Hamelin

  1. Pois olha que a piadola fálica até tinha dado um certo ar de leveza muito agradável: quem não gosta da piada da flauta lisa ou do trombone de varas?
    Mas olha, já pedi ao Senhor para nos enviar o tal tipo de Hamelin – quem sabe não poderias até ser tu – porque há para aí muito rato a afogar.

    • Bem-vindo, Drago. Todos temos um dark passenger como diz o Dexter. O meu pede ao teu que volte sempre aqui ao blog sempre que quiseres. 🙂

  2. Como sempre, um post muito bom e engraçado. A parte do serial killer e imaginar ver sangue espalhado por todo o lado, é assustador… Homem renuncia ao cargo, é o melhor, não vá o diabo tecê-las. A partir de hoje sempre que ouvir uma flauta, acelero o passo 😉

    • Sol, eu controlo-me. Um homem que não consiga controlar a sua flauta está perdido. Damn… Não resisti. O Vic ali em cima tinha razão. A piada fácil está mesmo ali…à mão. -_-

  3. Muito bom. 🙂 O Tejo era demasiado bom para alguns em que estou assim de repente a pensar. Boca do Inferno é que era. E para de tocar a flauta e eles acordarem no último momento. 🙂 Ok, vou parar.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.