Let’s look at the trailer

Este fim-de-semana houve tempo para dois filmes. Coisa rara. Não cedi à fácil tentação dos blockbusters, e não me arrependi.

Joseph Gordon-Levitt num registo ligeiramente diferente. Sublime. Gostei bastante. A banda sonora é de Metallica e Motorhead. A Padmé Amidala também anda por lá a dar um ar da sua graça, e fica sempre bem.

Não é tão mau como dizem. O Johnny anda constantemente bêbado e a tentar ficar sóbrio, a dar uma de escritor em Porto Rico, no início dos anos sessenta. Cenário caótico, muito álcool, uma femme fatale, e a melhor cena cómica de que me lembro em muito tempo.

E foi isto. Ainda deu tempo para um delicioso borrego no forno, em casa de uns amigos. Bem haja. E pelo Lóios 2004 Tinto também. Divinal. É tão bom ter alguém amigo que percebe minimamente de vinhos (seguramente mais do que eu, triste exemplar de énologo wannabe), e te convida para sua casa. Foi pena não termos aberto a terceira. Foi pelo melhor.

24 thoughts on “Let’s look at the trailer

    • Ele, regra geral, enche sempre a “tela”. Aqui não sei bem. Ainda assim gostei do filme. Em algum ponto perde-se qualquer coisa.
      Depois de “O Turista” fiquei com medo que a coisa viesse por aí abaixo. Mas ele continua igual a si próprio. Vale a pena.

    • Mónica, eu também não costumo ligar muito a criticas, especialmente as más. Gosto sempre de ter a minha própria opinião. Este em particular , vê-se bem. 🙂

      • Ainda me lembro de ter ido ver o ‘No country for old men’ arrastada por outras pessoas, ‘ah e tal, é bom e teve muitas nomeações nos óscares’ (aqueles franceses com a mania que isso é que conta). Nunca me tinha arrependido tanto de ter pago bilhete para algo!

        • São gostos. Já eu, adorei o “No Country for old men”. -_-

          Aliás, quase tudo o que sai da mente dos irmãos Cohen eu “papo” : “O Grande Lebowski”, “Fargo”, “The Ladykillers”, “O Brother, Where Art Thou?”, “Burn After Reading “…pá, gosto dos gajos. 🙂

  1. Também já me senti tentado a ver esse filme do Depp. Gosto dele, especialmente depois do Chocolate. (não é preciso ser gaja para gostar dele sem isto ter conotações esquisitas, pois não?).

    (tens aqui um tipo que nunca seria teu parceiro como enólogo. em contrapartida, se quiseres conselhos sobre cerveja, é só dizeres. Ah! repara que falo de CERVEJA, não falo daquelas coisas que vendem por aí sob nomes como mines, Sagres, super-bock ou mesmo aquela mijoca que dá pelo nome de bud)

    • Vic, eu também gosto bastante dele. Estás à vontade. 🙂 É um actor do caneco. E o filme tem a sua piada.

      Já espreitei o teu antigo blog de cervejas. Mas eras mestre cervejeiro, ou quê? Só gosto pela causa? 🙂

      • Só mesmo gosto pela causa, Troll. De fazer cerveja não percebo nada (nem quero, que aquilo requer algum espaço, paciência – duas coisas que me faltam um bocado, especialmente a 2a) e conhecimentos. Sempre preferi o prazer de degustar ao trabalho :).
        Acabei por largar o blog porque dava muito trabalho, e obrigava a andar sempre a pesquisar novas cervejas, o que é difícil em Portugal, e oneroso se se manda vir de fora.

        • Tenho um amigo que também é fanático por cervejas, abriu um bar na holanda só com cervejas de todo o mundo em que 1 vez por mes fazem provas. Não vendem mais nada só cerveja.

            • Há vários bares assim em Amsterdam. A Holanda é o local de passagem das cervejas americanas (as boas) que vêm para a Europa.
              Aquilo é um paraíso cervejeiro. Além dos bares e das lojas só de cervejas, também fabricam algumas muito boas, embora em geral, as belgas e dinamarquesas (e muitas americanas “indie”) sejam a créme de la créme.
              Vale a pena fazer uma viagem cervejeira que passe por Bruxelas-Bruges-Antwerp-Amsterdam (sem esquecer de passar pelo convento se Saint Sixtus onde se fabricam as fenomenais Westvleteren)

  2. Curioso, diria até que “Os diários do rum” são uma espécie de borrego no forno mas flambé. O borrego (Depp) é apetitoso para muitos mas, neste caso, a receita é fraquinha, no meu modesto entender. Mas, é sempre ver para crer….

  3. Sou só eu a achar que o joseph gordon levitt é a cara chapada do Heath Ledger??? Quanto mais velho fica, mais parecido também. 🙂

    Por mais que tente, não consigo gostar de borrego. Tinto, muito, por favor. 🙂

    Boa semana. 🙂

    • Filipa, curiosamente também acho o mesmo. Em algumas expressões então, são (eram) mesmo parecidos.

      Eu não achava borrego nada de especial. Mas depois de o ter comido de tantas formas e feitios na Jordânia, acabei por gostar.

      Tinto é sempre cheio, e do bom se possível. 🙂

      Boa semana para ti também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.