Mellow

Porque também tenho direito, porra. Não sou um poço de wit todos os dias. Não que precise de o ser, mas porque me habituei a vir aqui postar qualquer coisa. Esteve para ser um post com a palavra palha repetida 623 vezes, mas teria um impacto inicial que rapidamente me faria subir a taxa de rejeição, e ia apenas provocar uns trejeitos faciais e uns esgares de simpatia que durariam vinte e dois segundos nas caras dos/das vinte resistentes que por cá passam. Para mim são os suficientes. E porque já fui um metaleiro docinho, daqueles bem comportadinhos e simpáticos que nunca se metiam com ninguém, e a quem apetecia fazer festinhas, como se de um cãozinho bem tratado mas abandonado, se tratasse. Algumas vezes levaram-me para casa e deram-me leitinho. E, verdade seja dita, também porque às vezes ainda arrasto a asa de metaleiro docinho. Revejo vídeos como este e relembro o meu trajecto de vida, e presumo sempre que o camaleão em mim um dia vai completar os 360º graus e voltar ao ponto de partida. Mas depois chego a casa, pego na guitarra…e tenho de ir ao youtube para sacar acordes que ainda pensava saber.

O camaleão voltou a ganhar. Fui cortar o cabelo. Está novamente curto, estou fodido e tinha que desabafar. E esta é a faixa que eu queria tocar e o meu baterista insistia em tocar num mid tempo parvo e sem sentido.

 

 

6 thoughts on “Mellow

  1. Vê o lado bom da coisa. Agora tens direito a três dias de loucura sem que ninguém te possa levar a mal. Pelo menos é o que me dizia a minha avó, quando eu cortava o cabelo e não ficava lá muito satisfeita com o resultado. Aquelas palavras mágicas costumavam animar-me logo, logo 🙂

    Olha, fui “censurada” outra vez no outro post. 🙁
    Vamos lá ver se passo neste…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.