Shouldn’t we draw a line somewhere?

Passaram-me algumas pelas mãos, devo confessar. Tenho no entanto de realçar que nunca as procurei, que os meus gostos eram outros. Nunca lhes achei uma piada por aí além. É certo que acabava sempre por lhes levantar as saias. É quase um acto reflexo. Quase sempre, e invariavelmente, em casa das vizinhas. A curiosidade acaba sempre por ganhar vantagem ao pudor. Mas ainda assim, a minha experiência com barbies é curta. Nunca houve nenhuma lá por casa, e mesmo depois de sabida de cor a história das abelhinhas, e apurado o gosto por mulheres, nunca, mas nunca me passaria pela cabeça imaginar o que se segue, tampouco passar por lá as mãos e levantar-lhe as saias.

O exercício seguinte, poderia muito bem passar por um daqueles “Descubra as diferenças”, que fazem as últimas folhas da maior parte dos jornais. A diferença, aqui, prende-se sobretudo com o facto de esta segunda foto pertencer a esta jovem. Valeria Lukyanova é já tema de discussão em forums no mundo inteiro. Farsa. Photoshop, o cúmulo das cirurgias plásticas, o camandro. Uma coisa é ter japonesas a fazerem vida vestidas de Lolitas. É curioso, estranho, ridículo poderão dizer, mas, de certo modo aceitável. Valeria levou ao extremo a adoração pelo ex-libris da Mattel a seguir ao He-Man.

Cada um é livre de fazer com o seu corpo o que bem entende. Evoluímos de tal forma que com um bocadinho de asco e um encolher de ombros, aceitamos quase tudo o que o ser humano é capaz de fazer a si próprio para se diferenciar dos outros. Eu também queria encher o corpo de tatuagens e depois de aberta a pestana, fiquei-me por três. Mas tornar-me a imagem viva do meu boneco preferido? Não sei, faz-me espécie. E depois ia certamente ter alguma dificuldade em explicar às pessoas que aquelas protuberâncias nos calcanhares parecidas com barbatanas, eram para ficar parecido com o Namor.

 

 

16 thoughts on “Shouldn’t we draw a line somewhere?

  1. Chacun à son gout but not my cup of tea…
    Em relação ás barbatanas nos calcanhares parece-me bem… se pensares até é um acessório versátil, podes sempre converter as barbatanas em asas e vais alternando entre Namor e deus Hermes….
    ; )

  2. Cada um pode fazer o que bem lhe apeteça com o seu corpinho, é dono e senhor dele! Quanto a esta figura, não me choca mais que aquelas gajas que metem silicone em tudo quanto é sitio, ou os gajos do culturismo, que nem conseguem fechar os braços ou até as pernas, cada um com a sua paranóia!
    Quanto a mim, chego á conclusão que sou muito normalzinha!!

    • Gija, confesso que silicone no bumbum é coisa que também me faz confusão. Isto sobretudo nos homens. Ainda que quisessem aumentar a pila, agora rabo à J Lo… 🙂

    • A Mattel podia contratá-la para ficar à porta da sede tipo Barbie estátua. Depois a malta aproximava-se e ela gritava -I’m a barbie girl!!! Era o delírio. Os japas iam levar a sério a coisa e tentar comprá-la logo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.